BlogAdvocacia Hamilton de Oliveira

Seletor de idioma

 

 

 

“Tu deviens responsable pour toujours de ce que tu as apprivoisé” (Antoine de Saint-Exupéry).

Aos 4 de abril de 2016, neste Blog da AHO, foi originalmente publicado o texto que, hoje, replico, com título diferente e com poucos acréscimos.

A proximidade destas eleições, conturbadas, diga-se de passagem, com personagens insossos que certamente não alcançam a grandeza que exige o momento, trouxe à tona este pequeno lembrete do que seria a vida em sociedade.

Todos têm, cada qual à sua maneira, influência no meio social em que vivem. O ser humano, por natureza, é carente de relacionamento e, portanto, precisa disso para se desenvolver. Se sem o outro não há existência, qualquer indivíduo é essencial para os demais.

Nesse contexto, diante desta latente necessidade, surgem habilidades úteis que podem atrair ou repelir, uns aos outros. A linguagem, por exemplo, pressupõe interação, mesmo aos que, acostumados a falar, esquecem-se de ouvir. Sem tal interação não faz sentido ter um complexo sistema de códigos ou palavras, já que, por falta de destinatário, não há mensagem a ser enviada.

Assim, valendo-se desta e de outras ferramentas, os indivíduos se aproximam de grupos com interesses comuns e se distanciam de outros que contam com percepções diferentes de uma mesma realidade.

Nesse emaranhado de relações, especialmente porque cada um é verdadeiramente o centro de incontáveis vetores, positivos ou negativos, surge o Direito como fundamento da coexistência. É como se tais interações pudessem ser catalogadas e, assim, reguladas, evitando o conflito e garantindo a paz social.

No entanto, justamente por também ser um tipo de relação, o conflito faz parte do indivíduo e, por isso, a sua ausência esvazia a plenitude do ser humano. Ao Direito, neste caso, cabe organizar o atrito, racionalizando-o.

Razão e emoção, como a linguagem, são ferramentas unicamente válidas se outro houver. Sentir só, sem o outro, é o mesmo que argumentar para se convencer de algo já incorporado ao seu jeito de pensar. Inútil, sem sentido.

Certo, então, de que não há vida sem o outro, resta saber como é que se quer viver. As interações entre os seres humanos são incrivelmente poderosas: todos são compostos por pequenos fragmentos cedidos pelo outro. Só se é o que verdadeiramente se é, quando o olhar dos outros constrói, com a essência de cada um, o ser.

Todos os atos, todo comportamento, toda palavra dita, tudo o que se faz atinge o outro, contribuindo para que ele se torne o que ele é e, em contrapartida, para que ele contribua na construção do primeiro ser, quem fez, agiu ou falou. Assim, simbioticamente.

Nesse sentido, em última análise, somos todos responsáveis pelo outro, pelo que ele faz, pela forma com que age, pelo que fala. Positiva ou negativamente.

Uma vida inteira vivida em um ambiente positivo, de estímulos, de segurança, de confiança e de respeito certamente não corresponderá a uma vida vivida imersa no caos, no desrespeito e na humilhação... E, assim, cada um desses indivíduos terá o seu peculiar olhar sobre um mesmo fato, interpretando-o através de suas próprias experiências, de suas próprias essências. Cada um desses indivíduos deixará sua marca na formação dos seres que com eles convivem, perpetuando suas características na formação dos demais.

As escolhas individuais, portanto, são indissociáveis do todo. O que se quer para si é o que se quer para o outro, pois sem o olhar que se espera do outro não há como ter o que se espera para si.

E, finalmente, tentar fazer prevalecer os desejos de um em detrimento de outros, em verdadeira desconsideração pelo todo, é tão ilusório quanto inútil. Ora, se sem o outro não há vida, desconsiderá-lo não parece uma boa ideia, já que esta negativa atitude terá seu impacto na construção do seu ser. E, quanto a este impacto, nem mesmo o Direito conseguirá medir ou regular sua extensão.

Afinal, “tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas”.

Alexandre Gindler de Oliveira

Alexandre Gindler de Oliveira

Sócio da Advocacia Hamilton de Oliveira, é advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP), na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP) e no Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

Formado pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-CAMPINAS) e especialista em Direito Tributário pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP), sua prática tem sido dedicada à área do Direito de Família, cuja multidisciplinariedade além de exigir, beneficia-se do todo conhecimento possível.

Assessor da Presidência da 17ª Turma do Tribunal de Ética e Disciplina da Ordem dos Advogados do Brasil.

Idiomas: Inglês e Espanhol.

alexandre.oliveira@aho.adv.br

 

Pesquisar

Categorias

Leituras recomendadas

 

  • Autores

    Autores

    Sócio da Advocacia Hamilton de Oliveira, é advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP), na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP) e no Instituto Brasileiro de Direito de Família (IBDFAM).

    Alexandre Gindler de Oliveira

    Alexandre Gindler de Oliveira

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Associada da Advocacia Hamilton de Oliveira e advogada inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e Seção do Rio Grande do Sul (OAB/RS).

    Bruna Cortellini Bierhals

    Bruna Cortellini Bierhals

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Advogada associada da Advocacia Hamilton de Oliveira, é inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP).

    Débora Faria Santos

    Débora Faria Santos

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Sócio da Advocacia Hamilton de Oliveira, é, além de administrador de empresas formado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP).

    Fábio Gindler de Oliveira

    Fábio Gindler de Oliveira

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Advogado associado da Advocacia Hamilton de Oliveira, é inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP).

    Gabriel Gallo Brocchi

    Gabriel Gallo Brocchi

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Advogado da Advocacia Hamilton de Oliveira, é inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e membro do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de São Paulo (IBEF). Membro e Vice Coordenador do IBEF Jovem do Instituto Brasileiro de Executivos de Finanças de Campinas (IBEF/Campinas).

    Guilherme Barnabé Mendes Oliveira

    Guilherme Barnabé Mendes Oliveira

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Advogada associada da Advocacia Hamilton de Oliveira, é inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP).

    Júlia Meirelles

    Júlia Meirelles

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Advogada Associada da Advocacia Hamilton de Oliveira, inscrita na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP).

    Juliana de Oliveira Mazzariol

    Juliana de Oliveira Mazzariol

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Associado da Advocacia Hamilton de Oliveira, é, além de formado em Processamento de Dados e Mecatrônica pelo Colégio Sagrado Coração de Jesus, advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP).

    Paulo Augusto Rolim de Moura

    Paulo Augusto Rolim de Moura

    Leia Mais
  • Autores

    Autores

    Associado da Advocacia Hamilton de Oliveira, é advogado inscrito na Ordem dos Advogados do Brasil – Seção de São Paulo (OAB/SP) e na Associação dos Advogados do Estado de São Paulo (AASP).

    Reinaldo Federici

    Reinaldo Federici

    Leia Mais
  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9
  • 10

Parceiros

image
image
image
image
image
image